Por Gabriel Cayres

Os cristãos têm deixado de pensar. E o principal motivo pelo qual isso tem acontecido é a errônea interpretação de uma das frases mais ditas pelos cristãos nos dias de hoje: “Não julguem para que não sejam julgados” (Mt 7:1 e Lc 6:37). O problema é que distorceram as palavras de Jesus! Fazemos julgamentos o tempo inteiro e é assim que escolhemos entre uma coisa ou outra. Isso não está errado! Na verdade, essa é a única forma possível de viver, afinal, todos os dias julgamos qual roupa será a melhor, o que vamos comer, que caminho devemos tomar até o trabalho… Tudo isso é julgamento! E o próprio Jesus, em outra ocasião, disse: “Não julguem segundo a aparência, mas segundo a reta justiça” (Jo 7:24).

O que Jesus quis dizer é que não devemos julgar as pessoas como salvas ou perdidas. Mas devemos, precisamos e não podemos deixar de julgar as ideias. São elas que moldam nossas atitudes, fazem nosso caráter e nos conduzem para a salvação ou perdição. Pelo amor de Deus, julguem ideias, não pessoas. Os profetas fizeram isso, Jesus o fez e nós, mais do que nunca, precisamos disso para discernirmos entre o certo e o errado.

É claro que ao julgarmos as ideias, sofreremos perseguição e seremos hostilizados. Vejam o que aconteceu aos profetas, discípulos e ao próprio Jesus! Quase todos foram mortos por combater ideias que conflitavam com a verdade! Mas PRECISAMOS fazer julgamento de novas e antigas ideias para que entendamos o caminho que estamos seguindo e avaliemos se é por aí que queremos seguir.

Essa mensagem não é um pedido para que vocês parem de julgar as pessoas. O centro desse texto é: julguem as ideias! Voltem a ser seres pensantes, voltem a debater ideias, repudiem as enganosas, combatam as erradas e as já estabelecidas! Precisamos mudar! Mudem! Transformem-se!

“Pensem nisto, pois: ‘Quem sabe que deve fazer o bem e não o faz, comete pecado'” (Tiago 4:17).

E nós sabemos que precisamos combater ideias erradas. Não tenha medo de defender a verdade. Seu futuro eterno depende disso.

Publicidade